Liliana Viana

Arquivo do Autor

HOJE, 16 de abril, a minha sobrinha neta JÚLIA chegou na minha casa com sua bonequinha preferida.

Começamos a brincar juntas, mas de repente ela me disse que gostaria de brincar sozinha.

Olhei para ela e disse: Poxa Júlia, a Maria Fernanda me deixa brincar de boneca com ela.

A RESPOSTA DA JÚLIA VEIO NA LATA: Eu não sou a Maria Fernanda. Meu nome é Júlia.

Dei uma gargalhada que acho que o prédio inteiro ouviu.

DIA DESTES a minha sobrinha neta JÚLIA me chamou para brincar.

Júlinha: Tia Lili vamos brincar de ond-ond

Tia Lili: Brincar do quê?

Júlinha: ond-ond Tia Lili!

COMO RESOLVER ESSA SITUAÇÃO?

Dois fatores estavam em jogo. De um lado a minha perda auditiva. Do outro, uma criança de apenas três aninhos que ainda não desenvolveu sua fala completamente e ainda bem sopranina, aguda lá no alto.

Outras vezes já havia percebido que quando ela não era compreendida, saía balançando a mãozinha e dizendo: deixa pra lá!

EU NÃO PODERIA DEIXÁ-LA DESISTIR.

Voltando ao nosso diálogo.

Tia Lili: Júlia, a sua tia avó ta ficando surdinha e não entendeu. Fala de novo!

ELA SEGUROU MEU ROSTO NA DIREÇÃO DO DELA E FALOU USANDO GESTOS:

Júlinha: Tia Lili, oh! (Nessa hora colocou as mãozinhas sobre os olhos) ond-ond

Tia Lili: Brincar de Esconde-Esconde! Vamos sim!!!

E passamos momentos felizes naquela tarde

TENHO DESEJADO ANSIOSAMENTE COMER CONVOSCO ESTA PÁSCOA, antes da hora do meu sofrimento!
(Lucas 22.15)

Esta foi a terceira e última Páscoa que Jesus passou com Seus Discípulos.
Nos anos anteriores lá estavam eles reunidos com o Mestre para comemorarem a Festa da Páscoa que tem significados profundos para o povo Judeu e para os cristãos em todo o mundo.

A primeira Páscoa havia ocorrido uns 1500 anos antes daquela que Jesus disse que muito desejou viver com seus discípulos.

NA PRIMEIRA PÁSCOA

Quando Israel estava para deixar o Egito depois de mais 400 anos entre estada e escravidão, Deus enviou 10 pragas sobre aquela terra.

Israel já havia se esquecido de Quem Deus é e de todo o Seu Poder.

Com as pragas Deus mostra todo o Seu Poder e Soberania, e ao mesmo tempo julga o Egito e o seu Faraó.

Os vários deuses egípcios são “destronados” e o próprio Faraó que era tido e venerado como um deus, o Hóros vivo na terra.

Antes da 10° e última praga, A Matança dos Primogênitos, Deus institui um novo ano para Israel – um novo começo, e dá algumas ordens ao Seu povo.

PREPAREM A PÁSCOA (Êxodo capítulo 12)
 Verso 3, 4 e 5 – Ao dez deste mês tome cada um para si um cordeiro. Um cordeiro imaculado, perfeito, para cada família (Mas, se a família for pequena para um cordeiro, então tome um só com seu vizinho perto de sua casa).
 Verso 6 – No décimo quarto dia o cordeiro deveria ser sacrificado a tarde
 Verso 7 – O povo colocaria o sangue do cordeiro em ambas as ombreiras e na verga da porta.
 Verso 8 – O Cordeiro seria comido durante a noite com pães sem fermento e com ervas amargas.
 Verso 10 – Nada ficaria do cordeiro até pela manhã seguinte; o que não era comido deveria ser queimado.

É notório que cada detalhe no preparo da Páscoa tipificam a pessoa de Cristo, O Cordeiro de Deus:

1) Puro e Imaculado – verso 5
2) Morreria no final da tarde – verso 6
3) Cristo aplica seu sangue no coração dos crentes – Verso 7 (O coração é uma porta – Se abrires a porta do coração eu entrarei; Do coração procedem todas as saídas da vida, etc)
4) Cristo deve ser recebido em nossos corações em verdadeiro arrependimento (tristeza, amargura que gerem arrependimento) e deixando de lado o fermento do pecado.
5) O Cordeiro de Deus deve ser recebido completamente pelo crente – Verso 10
6) Aquele que tem a Cristo vive em prontidão aguardando a sua volta – verso 11.
7) Quando chegar o fim (a noite) O Juízo de Deus cairá sobre os que não receberam a Cristo – verso 12
8) Cristo torna-se o Substituto e a ira de Deus não cairá sobre aqueles cujos corações foram lavados pelo sangue de Cristo – Verso 13

Uma última ORDEM, de suma importância, é dada por Deus no verso 14 de Êxodo capitulo 12:

E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo.

Voltando para o momento da ÚLTIMA PÁSCOA DE CRISTO COM SEUS DISCÍPULOS:

Jesus sabia que em breve passaria por sofrimentos, escárnio e a cruel morte de cruz. Mas, a certeza do que teria de passar não impediu seu ardente desejo de instituir a Ceia como um memorial eterno do seu sacrifício de amor.

Ali estavam os discípulos. Jesus já havia estado com eles em duas outras páscoas, mas aquela seria um divisor de águas. Aquele momento iria obscurecer a própria Páscoa lá do Egito, que era apenas uma sombra. Aquele momento no cenáculo sinalizaria O NOVO E ETERNO PACTO.

Ardentemente o Senhor desejou comer aquela Páscoa e instituir com Sua Igreja um novo Pacto, Uma Nova Páscoa, em que Ele é o Cordeiro que tira o pecado do mundo.

Como na primeira páscoa aquele dia deveria ficar na memória e deveria ser celebrado pelas gerações futuras, o Senhor Institui a Ceia como um memorial de seu Novo Pacto, e devemos celebrá-lo até que Ele venha.

As Instruções continuam.
O Cordeiro foi morto por nós. Seu corpo partido, seu sangue vertido.
Lembrem-se! Celebrem!
Estejam prontos (Santificados)
Anunciem a outros até que Ele venha!

1 Coríntios 11:23-29
Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim.
Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha. Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.

(Liliana Viana, 12 de abril de 2020 – Domingo de Páscoa)

20200327_153509

A arca trás proteção, salvação e a de Noé tipificava Cristo.

Tente imaginar uma família, total de 8 pessoas, dentro de uma enorme embarcação, cheia dos mais variados bichos.

Choveu por 40 dias.
Uma quarentena dentro da arca.
Ops, a “quarentena” da arca durou mais de 1 ano.

Isso mesmo, 1 ano.
Eram 8 pessoas que não tinham pra onde ir. Quantas emoções: medos, tristezas, angústias, raivas, desânimo…
Quantos pensamentos deveriam passar pela cabeça deles:
📌 isso não vai acabar nunca
📌 não teremos salvação
📌 Deus se esqueceu de nós

Será que eles duvidaram? Será que eles ficaram apavorados?

Não temos estas respostas. Sabemos que nada foi fácil.
A chuva;
O Relacionamentos em um confinamento;
O tempo que parecia não passar;
A liberdade cerceada; e tantas outras questões difíceis de serem administradas.

Mas, a família de Noé sabia que só estando na arca eles iriam se salvar.
Os que lá fora ficaram morreram. Eles sabiam que precisavam obedecer.

A arca provavelmente, depois de algum tempo, começou a ter cheiros desagradáveis por causa de tantos animais. Mas, ainda era o lugar de salvação.

Nossa quarentena nos leva de volta a arca.
Novamente um dilúvio, agora de vírus, se espalha por todo mundo.

A ordem não vem das autoridades terrenas. Vem da Celestial. Como outrora o Senhor disse a Israel:
Recolham- se em suas casas até a praga passar.

Muitos cheiros nada bons vão aflorar. Mas, é hora de acertar os nossos relacionamentos com nossos familiares, conosco e principalmente com Deus.

Quando a porta da Arca abrir que estejamos prontos para cultuar a Deus e para refazermos nossa aliança com Ele.

O Sol da Justiça já brilhou nas trevas que outrora andávamos.
Cristo é a Nossa Arca, a nossa salvação.

(Liliana Viana, 24 de março de 2020)

Sou filha de costureira e ouvi muitas vezes: a roupa ficou justa. Justíssima.

Isso significa que ficou adequada, exata, caiu bem, assentou bem.

É certo que por vezes, no mundo do vestuário, usamos o termo: MUITO JUSTO para expressar que ficou MUITO APERTADO. Muitas vezes experimentei roupas e expressei: não cabe. Ficou JUSTÍSSIMO demais.

O MAIS INTERESSANTE é que, apesar da roupa estar APERTADA, muitos acham que CAIU BEM, ADEQUADA para ser usada.

Não só na escolha/prova do vestuário, como também nas nossas vivências, teremos dificuldades na adequação entre o JUSTO (íntegro, correto) com MUITO JUSTO (Ficou apertado), mas ASSENTA BEM nas minhas razões.

Por vezes, vamos tentar encontrar razões, que a nossa própria razão desconhece.

Não é raro ouvir explicações de alguém que só cabem nele. Ou melhor, não cabem em ninguém, mas, mesmo que não seja adequado, explanam de forma muito segura AS SUAS JUSTÍSSIMAS JUSTIFICATIVAS.

Dia desses assisti em um canal de TV um filho buscando conhecer seu pai e o reconhecimento da paternidade.

De forma resumida:
Um jovem, o pai da história, engravidou uma moça do interior e depois caiu fora. Quando a criança tinha 3 meses, a tal moça viajou até a cidade grande para procurar o irresponsável. Foi expulsa por ele e por seus pais. Anos depois ela voltou a procura-lo. Novamente expulsa.

A criança cresceu sem pai, e já adulto, com quase 50 anos, pediu ajuda a um programa de TV.

Quase 5 décadas depois de colocar pra fora de sua vida uma criança indefesa, diante das câmeras, o pai chora ao receber o novo registro do filho com o reconhecimento da paternidade depois do exame de DNA.

Ele chora e diz:
– eu sempre sonhei com isso, conhecer meu filho e ter meu nome no registro dele. Uma honra ser seu pai.

Em seguida beijou o registro chorando.

Aquele homem apresentou justificativas que não cabiam nem mesmo nele, mas sinceramente ele acreditava nelas. Ou não?

E natural buscarmos justificativas para os nossos atos, independentemente de serem bons os maus. Sempre temos um “motivo” que acalenta e satisfaz nossa alma.

Apesar de estarmos vivendo dias em que ninguém acha que deve explicações a outrem, em uma questão ou outra vamos ter que nos explicar.

Aí está a questão. Nossas justificativas precisam ser corretas, íntegras. Isso significa que elas devem ser verdadeiras, reais, racionais. JUSTO no sentido de estar certo e adequado. Não pode ser bom só pra mim, sob a minha ótica distorcida, como a roupa dois manequins abaixo e que eu acho que ficou certíssima.


Visite meu outro BLOG

POR CAUSA DA FLOR. Essa é uma simples estória de uma lama, que morou perto de uma flor e adquiriu o seu perfume. Que sejamos contagiados pelo aroma de Cristo. DEle somos o Bom Perfume.
http://porcausadaflor.wordpress.com/

REFLEXÃO

Quando nos deparamos com a escolha de caminhos, a questão não é: Isto é bom ou mau? É útil ou nocivo? Não; a pergunta deve ser: ‘Isto é do mundo ou de Deus?’ Uma vez que só há este conflito no universo.

(Watchman Nee)

A BÍBLIA EM AUDIO

A Palavra de Deus para aqueles que não podem ler ou enxergar, e para os que desejam ouví-la no carro ou em momentos de comunhão a sós ou em família. Narrada pelo Pastor Paulo Castelan, editada em 2001, com texto ACF da Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil. (Clique na Imagem)

%d blogueiros gostam disto: